quinta-feira, outubro 13, 2005

espontaneidade da natura naturans

Cada consciência iluminada é um "imperador", cuja a única forma de reinado é não fazer nada para não atrapalhar a espontaneidade da natureza, o Tao. (HB)

A justiça não pode ser obtida sob nenhuma lei que seja - uma ação que está de acordo com a natureza espontânea, uma ação justa, não pode ser definida por dogmas. (HB)

Paradoxo: adotar o Caos não é escorregar para a entropia, mas emergir para uma energia semelhante à das estrelas, um espécime de graça instantânea - uma organização orgânica espontânea completamente diferente das pirâmides sociais putrefatas dos sultãos, muftis, cádis & carrascos. (HB)

2 Comments:

Blogger Coletividade Nômade said...

É impossível decidir o desejo, não decidi-lo, também. Aceitamos o desejo desdecidido como amigo da espontaneidade?
Reconheço traços desta certa espontaneidade nos momentos em que me encontro mais PRESENTE de corpo (sem órgãos).
Esta espontaneidade eu encontro no calculado salto da dançarina. Às vezes está e às vezes não está na poesia concreta e na execução do spalla.
Encontro no João Bosco(1) e no Adoniran(2). Na Elis(3) e no Gonzaguinha(4).
1- Ora calculada, ora não. Ora intensa, ora não.
2- Menos calculada, muito intensa.
3- Muito calculada e muito intensa.
4- Ora calculada, ora não. Às vezes intensa, muitas não.

Uma certa espontaneidade existe na PRESENÇA de espírito (com órgãos)?

11:47 PM  
Blogger Coletividade Nômade said...

Presença de corpo que é a presença do sem-órgãos.
Presença explícita de algo que quer ter órgãos.

11:22 AM  

Postar um comentário

<< Home